Central de Atendimento (71) 3480-8180

Me envolvi em um acidente. O que fazer?

Há situações que parecem bem distantes das nossas vidas. Envolver-se num acidente automotivo, por exemplo, não passa por nossas cabeças quando saímos diariamente para trabalhar, estudar ou fazer qualquer outra coisa. Infelizmente, aí vai uma má notícia: eles geralmente acontecem quando menos esperamos.
Justamente por isso, muitas pessoas entram em desespero quando algo do tipo acontece com elas. Assim sendo, resolvemos criar um pequeno e sintético guia “passo a passo” para que você saiba como reagir nesse tipo de ocasião e, de alguma maneira, possa reduzir os inconvenientes causados.

1 – Prepare-se para o pior
Você pode fazer sua parte, sendo um(a) motorista prudente e que dirige cautelosamente, mas sabemos que, mesmo assim, não está imune a um acidente. Dito isso, é uma boa ideia ficar munido de alguns itens para uma eventual situação assim.
Uma vez que o acidente ocorra e você esteja bem, registre-o. Quase todos andamos com aparelhos celulares atualmente, a maioria esmagadora com câmera capaz de tirar fotos e gravar vídeos. Essa é exatamente a ideia ao sair do veículo: registrar a cena fielmente. Pode ser importante no futuro para comprovar (ou ao menos tentar) o que aconteceu.
Além de portar o aparelho celular, cuide para que você tenha todos os documentos do carro em dia, bem como o seguro, caso disponha de um.

2 – Certifique-se do estado dos envolvidos
Uma vez que o acidente já tenha acontecido, é hora de verificar a situação dos envolvidos nele. Em primeiro lugar, você mesmo, claro. Se perceber que algo de errado aconteceu (fratura, ferimento, etc) e tiver condições de acionar o serviço de pronto-socorro, faça-o imediatamente. Caso esteja bem, apto, inclusive, a sair do veículo, verifique a situação dos ocupantes do seu carro (caso você esteja acompanhado), do(s) outro(s) carro(s) ou dos pedestres, se for o caso.
Notando algo mais sério, vale a mesma recomendação anterior: chamar o atendimento médico de emergência. Lembre-se: o Código de Trânsito Brasileiro prevê que os condutores em acidentes com vítimas prestem socorro e, se isso não ocorrer, a pena pode chegar a um ano de detenção.

3 – Posicione-se num local seguro
Dependendo do local em que o acidente ocorreu, é muito importante tentar remover o carro (caso ele esteja funcionando) ou, em última análise, posicionar-se a si próprio fora da via. Essa situação é particularmente relevante em estradas, tendo em vista que a visibilidade nem sempre é adequada e outros veículos podem passar pelo local em alta velocidade. Antes disso, tente sinalizar a área do acidente, com o triângulo exposto a uma distância razoável da cena, de modo a alertar quem estiver se aproximando.

4 – Alertar as autoridades
Envolvidos estão bem e cena está bem sinalizada, hora de acionar as autoridades e, posteriormente, fazer um boletim de ocorrência. A autoridade policial deve ser avisada sobre a ocorrência, atuando da maneira mais adequada para esclarecer o acidente, se houver divergência. Nesse momento, é importante que você já tenha registrado a cena de alguma maneira, podendo, assim, confirmar com fotos ou vídeos sua própria versão. Em vias urbanas, o órgão responsável pelo tráfego também será chamado; em estradas e rodovias, avise a empresa responsável pela administração da via.
Se por ventura houver vítimas em decorrência do acidente, a situação é um pouco diferente. A polícia não só deverá ser comunicada como fará uma perícia do local, e, por conta disso, a cena não deverá ser alterada. Além disso, os envolvidos obrigatoriamente comparecerão à Delegacia mais próxima, conduzidos pelos próprios policiais, onde prestarão depoimento.

5 – Informe sua seguradora
Todo auxílio nesse tipo de ocasião é interessante, e, caso você tenha um seguro contratado, poderá desfrutar os benefícios oferecidos pela companhia, como guincho ou táxi. Como boa parte dos planos preveem assistência 24 horas por dia, é bem provável que a seguradora possa te ajudar com relativa rapidez.

6 – Prepare-se para os reparos
Eis que chega o momento doloroso, não fisicamente, mas para o seu bolso. Caso você tenha se envolvido num acidente com mais de um veículo, é hora de conversar com o(s) outro(s) motorista(s). Se o culpado (seja você, seja outro envolvido) se responsabilizar pelo ocorrido, a vítima deve anotar alguns dados: nome completo, contatos (telefone, endereço, e-mail) e seguradora que será contatada. A franquia correspondente será paga diretamente na oficina. Um acordo é sempre o melhor caminho.
Por outro lado, se você se sentir lesado – por exemplo, a culpa claramente não tiver sido sua -, uma boa ideia é, caso existam, recrutar testemunhas para que possam confirmar sua versão numa eventual ação de ressarcimento, no juizado de pequenas causas.

7 – Mantenha a calma em todo o processo
Talvez seja a dica mais difícil de ser aplicada na prática. Nosso carro é nosso patrimônio, e, assim sendo, sempre devemos procurar zelar por ele. Eventualmente, quando um acidente acontece à nossa revelia, a tendência é explodir e procurar confusão com quem o provocou.
Pode parecer uma medida irresistível, mas não é. Respire fundo, pense nas consequências e perceba que o mais grave num acidente é o risco à vida dos envolvidos. Se esse risco tiver ficado para trás, não há prejuízo que compense perder a cabeça numa discussão.